• Noticias
  • 12 de Junho de 2017 - 05:35hs

Gilmar Mendes quer proibir igrejas de lançar candidatos

Tribunal Superior Eleitoral acredita que influência de igrejas e líderes religiosos nos processos eleitorais é crime

Imagem

Após as votações desta semana, o trabalho do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) ganhou grande destaque. Acabado o julgamento de Temer, o presidente Gilmar Mendes, diz que a Corte se dedicará a estudar mecanismos para bloquear o que considera abuso do poder econômico e a influência das igrejas nas eleições.

“Depois da proibição das doações empresariais pelo Supremo Tribunal Federal, hoje quem tem dinheiro? As igrejas. Além do poder de persuasão. O cidadão reúne cem mil pessoas num lugar e diz ‘meu candidato é esse’. Estamos discutindo para cassar isso”, afirmou Mendes em entrevista recente.

O magistrado acredita que há um potencial para abuso de poder econômico, uma vez que esse tipo de doação é de “difícil verificação”. Ele diz estar preocupado com o uso da estrutura física das igrejas para influenciar as eleições. “Outra coisa é pegar o dinheiro da igreja para financiar [campanhas]. Se disser [para o fiel] que agora o caminho para o céu passa pela doação de R$ 100, porque eu não vou para o céu?”, ironiza.

Contudo, o STE ainda não esclareceu quais medidas poderia aplicar, uma vez que ainda existe lei sobre o tema no país. Via de regra, a Justiça Eleitoral trata os casos de abuso religioso como outras formas de irregularidade, equiparando-a ao abuso de poder político, por exemplo.

Uma vez que não existe uma norma clara, a investigação se torna difícil, pois esse é um “crime” que sequer existe formalmente.

Gilmar Mendes não é o único que pensa assim. O vice-procurador-geral eleitoral Nicolao Dino já pediu ao TSE que o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella fosse condenado por abuso de poder religioso. Durante a campanha a governador em 2014, o bispo licenciado da Igreja Universal foi acusado pelo Ministério Público Eleitoral de usar a estrutura do templo da igreja em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, como comitê.

Foram encontrados no local milhares de fichas cadastrais que traziam a indicação de páginas de Crivella na internet. Junto estavam centenas de formulários pastorais, alguns já preenchidos por fiéis da igreja, que traziam um campo específico para ele colocar o número do título eleitoral.

No parecer enviado ao TSE, Dino escreveu que era “fundamental coibir a prática do abuso do poder religioso, isto é, a exploração do discurso litúrgico para supressão da autonomia política de fiéis, comumente obsequiosos às orientações clericais”. Três anos depois, o caso ainda aguarda apreciação do ministro Herman Benjamin, do TSE.

Investigação difícil

Em entrevista à Gazeta do Povo, a professora da FGV Direito Rio, Silvana Batini, explica que é bastante difícil fazer uma investigação profunda para comprovar a influência de lideranças religiosas no voto.

Por exemplo, com a proibição de doações de pessoas jurídicas, após as descobertas de irregularidades apontadas pela operação Lava Jato, os membros de uma igreja poderiam ser pressionados por líderes religiosos a doar diretamente para seus candidatos. Se isso ocorrer, haveria a caracterização do crime de abuso econômico, na forma de abuso de poder religioso.

Batini reclama que poderia haver ainda outros tipos de abuso. Se um pastor afirmar que o fiel precisa votar em determinado candidato alegando que é o que “Deus quer”, isso pode caracterizar abuso de poder político, acredita.

Diante dessas situações, é possível que a Justiça Eleitoral estabeleça novos parâmetros para julgamentos onde o abuso religioso esteja configurado.

noticias.gospelprime.com.br

14 COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

  • Anonimo Há 4 meses

    Já que esta querendo proibir. Temos que proibir os GAY's tbm a queles porra num faz nada lá dentro a num ser ta defecando pela boca e cuspindo nos outros shaushsuahsus... Jean Wyllys viadinho safado

  • Iiremar Alves Há 4 meses

    Tenho vergonha de ser Brasileiro de ter cara como Gilmar Mendes no supremo no meu bairro verdadeira a versao essa e CRAPULA como o Gilmar como você faz mal mal ao Brasil peça para sair.

  • Iiremar Alves Há 4 meses

    Vergonha eh você ter ganhado verbas de Temer para sua faculdade qual eh sócio ter afinidades Jantares vergonhoso voce ganhou irá de todo BRASIL tem vergonha do Supremo de ter cara como você vai sofrer represalias em todo Aeroporto vai ser hostilizado muito golpista do mesmo jeito fora cara você nougar errado

  • João Saldanha Há 4 meses

    O Gilmar Mendes está corretíssimo ao tratar desse assunto, pois, há muitos líderes religiosos utilizando a estrutura de suas igrejas em benefício eleitoral. Isso é fato!!!

  • Anacleto Há 4 meses

    Taí uma coisa q da muito dinheiro! Doações as igrejas! Nada contra religião mas o tem de templos arrecadam dinheiro nao e brincadeira! Eu nunca vi um padre ser político! Pq?

  • emanoel nogueira Há 4 meses

    Esses ministros deveriam se preocupar em não permitir a releitura desses ladrões que rouba os cofres públicos mais como no brasil os valores são revertidos eles fazem essa palhaçada e os brasileiros calados

  • Kaká Há 4 meses

    Cada dia q se passa tenho vergonha desses políticos corruptos e q envergonha a nação Brasileira onde as autoridades q se vende para defende seus presidentes corruptos onde foi provado a corrupção e agora querem mexer com os pastores e padres isso é uma vergonha

  • Kaká Há 4 meses

    Cada dia q se passa tenho vergonha desses políticos corruptos e q envergonha a nação Brasileira onde as autoridades q se vende para defende seus presidentes corruptos onde foi provado a corrupção e agora querem mexer com os pastores e padres isso é uma vergonha

  • Ícaro Há 4 meses

    Postura duvidosa vinda de um ministro que votou pela absolvição da chapa Dilma/Temer, os evangélicos tem todo o direito de votar em quem os represente, assim como os católicos, os ateus ou qualquer grupo que vive em uma democracia. Nossas escolas e faculdades hoje são núcleos de doutrinação da esquerda e isso sequer parece um problema para o TSE, o fato do ministro ocupar um cargo tão importante graças a indicação da presidência(e não por concurso) não seria também influência criminosa? Mas pro presidente do TSE o problema do Brasil são as igrejas...

  • Observador Há 4 meses

    Gospel Prime, página sem crédito nenhuma, se a fonte fosse "Ocamera", a notícia seria mais confiável.

  • João Há 4 meses

    É muita falta do que fazer... Marcelo Crivella, por exemplo, foi eleito por toda população do Río de Janeiro. Não tem nada a ver com fiéis "obrigados" a votar. É achar que a população ou os fiéis são tão burros. Curiosamente, muitos fiéis, de forma inexplicável, apóiam o PT, muito embora a esquerda tenha um discurso contrário aos valores religiosos. A esquerda faz crítica ferrenha às igrejas. Só falaram das igrejas evangélicas. Por que não falaram na igreja católica? Se houver abuso, tudo bem. Mas todos sabemos que há muito poucos vereadores, deputados e senadores evangélicos ou religiosos...

  • Paulo Há 4 meses

    Kkkkkkkkk só rindo mesmo de um ministro, corrupto como este, querer vir falar do que é certo ou não.

  • Anônimo Há 4 meses

    Vindo desse Gilmar Mendes ,tudo e possível, um dos maiores vagabundos desse país é um tremendo gabiru e dos gordos,mais o lugar dele no presídio da papuda tá reclamando sua falta.mais cedo ou mais tarde ele cai lá...

  • ubaldo jacome gama Há 4 meses

    De certa forma o ministro está coberto de razão, pois tem muitos zumbis nessas igrejas cujo o Deus é o dinheiro que obedecem as ordens de sues líderes religiosos.


Informe publicitário

Caça e Pesca Mossoró