• Homicídios
  • 16 de Junho de 2017 - 17:05hs

Polícia prende mais dois suspeitos de envolvimento no latrocínio do servidor da UERN em Mossoró

Ivonete Tintino da Silva e Jefferson Batista Souza Morais foram presos na manhã de hoje.

Imagem
Acusados de envolvimento na morte de Hiroito: Fim da Linha

Há pouco mais de treze dias, após o crime de latrocínio, (Roubo seguido de morte) contra o servidor da Universidade Regional do Rio Grande do Norte (UERN), Hiroito Gonçalves Falcão, morto dentro de casa no Abolição II em Mossoró, durante assalto, a Delegacia de Furtos e Roubos (DEFUR), tendo a frente os dois delegados, Luiz Fernando e André Albuquerque, com apoio da 3ª equipe da Delegacia de Plantão, conseguiu juntar as peças do quebra cabeça e desvendar o crime.

Segundo o delegado da especializada, Luiz Fernando, três dos envolvidos no crime já estão presos por determinação judicial, são eles: o cabeleireiro Pedro Henrique da Silva, preso pela 3ª equipe da DP de Plantão, no dia seguinte ao crime, a sua esposa técnica de enfermagem Ivonete Tintino da Silva, que trabalhava na casa da vítima e teria passado informações para o marido e Jefferson Batista Souza Morais.

Jefferson Batista e Ivonete Tintino foram presos nesta sexta feira 16 de junho, pela equipe da Delegacia de Furtos e Roubos, por força de mandados de prisão expedidos pela justiça. Jefferson Batista foi preso preventivamente e Ivonete Tintino teve o mandado de prisão temporário.

Os dois foram presos em suas respectivas casas e conduzidos à Defur onde foram interrogados pelo delegado Luiz Fernando, acompanhados de seus advogados. De acordo o bacharel Luiz Fernando, Jefferson confessou sua participação no crime, disse que apenas dirigiu o carro, e apontou todos os outros envolvidos.

Já Ivonete Tintino, segundo Luiz Fernando, disse que é inocente e que não teve nenhuma participação no crime, apenas esperava o marido para pegá-la como fazia rotineiramente. Os outros três envolvidos, de acordo com o delegado, dois se encontram foragidos, mas já estão com mandados de prisão preventivas expedidos pelo judiciário.  São eles: Anderson Rocha de Oliveira e Michael Eduardo Rocha da Silva.

Felipe Rodolfo da Silva, irmão de Pedro Henrique da Silva, de acordo com o titular da DEFUR, também estava envolvido no latrocínio, mas este foi assassinado, quando se dirigia ao ITEP para fazer exame papiloscópíco na última quarta-feira (15). A Morte dele está sendo investigada pela Divisão de Homicídios (DHPP).

Dr. Luiz Fernando concluiu a entrevista afirmando que o latrocínio está elucidado com as respectivas autorias e que o inquérito está praticamente concluído, faltando apenas a parte pericial, para que seja encaminhado a Justiça.

Em relação aos dois foragidos, Luiz Fernando enfatizou que sua equipe está trabalhando dia e noite para localizá-los e que a prisão dos dois é questão de dias.

Fim da Linha

11 COMENTÁRIOS

Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos de uso, denuncie.

  • LAURO SANTOS 7 dias ½ atrás

    Parabéns a toda equipe da polícia, que com árduo trabalho, conseguiu desvendar mais uma quadrilha de criminoso e elucidar um crime que chocou toda cidade de Mossoró, pois o Sr. Hiroito Gonçalves Falcão, era um cidadão de bem e muito querido por todos que o conhecia. Foi assassinado covardemente pela equipe de delinquentes, que como tantos outros, acham-se no direito de decidir até quando um cidadão de bem, seja ele autoridade ou não, pode viver. O estado não deve permitir que elementos dessa estirpe, continue ceifando vidas, tem que serem punidos rigorosamente sem direito a nada, quem esses delinquentes pensam que são, aterrorizam toda uma cidade e ainda decretam pena de morte. Que o estado deve oferecer a estes delinquentes o que eles tem por direito adquirido: O CEMITÉRIO. Este é o melhor e mais tranquilo presídio para seres demoníacos.

  • Anonimo 7 dias ½ atrás

    O correto seria prender o restante do jeito que prenderam o outro vagabundo na calçada do itep

  • Valeria 7 dias ½ atrás

    parabéns mas o caso da menina Valeria que foi ano passado em setembro de 2016 que as autoridades falaram que estava próximo de elucidar o caso e ate agora nada, A sociedade pede uma explicação foi um crime bárbaro ela teve o pescoço quebrado e um tiro na cabeça e ninguém sabe de nada ela morta e o assassino solto para praticar outro crime e ficar dando risada da sociedade, acredito na policia e tenho fé em Deus que esse crime não completa um ano.

  • Eu 7 dias ½ atrás

    Concordo com o colega (anônimo) matou tem que morrer, eram pra está todos mortos!!

  • Justica Há 7 dias

    Valeria a justiça existe para quem tem direito e influencia, acho justo ter elucidado esse caso rapido, mais se o sr Heroilto não fosse influente e cm familia tbm bem conceituada, seria mais um para o esquecimento.

  • caso " VALERIA" Há 7 dias

    A Polícia não resolve porque não quer. Toda Mossoró fala que foi esse vagabundo do ex- marido dela . Basta conversar com as colegas da faculdade para saber por quê.

  • Eu 6 dias ½ atrás

    Não descobre e pobre Valéria não tem dinheirinho ó marido sabe guen foi digo

  • Eu 6 dias ½ atrás

    Não descobre e pobre Valéria não tem dinheirinho ó marido sabe guen foi digo

  • Delzimariaoliveira 6 dias ½ atrás

    Eu conheço esse Jefferson ele mora na abolição V faz pouco tempo q a mulher dele teve uma filha com ele . Esses vagabundos tem q ser presos msm ..

  • MENTOR Há 6 dias

    POSSO ESTAR ERRADO, MAS A O MAIOR CULPADO DESSA TRAGEDIA QUE ACONTECEU COM MEU AMIGO DE HIROITO É ESSA IVONETE. ELA FOI QUEM PASSOU INFORMAÇÕES DAS CONDIÇÕES DA FAMÍLIA DE HIROITO, E POSSIVELMENTE, SE TINHA ALGUNS BENS GUARDADOS. ESSA MISÉRIA NÃO SE SATISFAZIA COM O SALARIO QUE RECEBIA NÃO? OS VAGABUNDOS DA RUA NÃO ADIVINHAM COMO A FAMÍLIA DE HIROITO VIVIA NÃO. TEM QUE TER ALGUÉM DE DENTRO PARA PASSAR INFORMAÇÕES. OU SEJA, TEM QUE HAVER UM INFORMANTE. EU PENSO QUE ELA É A MAIOR CULPADA.

  • PM0800 Há 6 dias

    O caso valeria, tem gente da alta no meio por isso o caso não foi resolvido. Se a população insistir na divulgação até o ministério público exigir das autoridades competentes.